Início / Tag Archives: sebrae

Tag Archives: sebrae

Feed Subscription

Senar e Sebrae promovem treinamento a instrutores do Negócio Certo Rural

Leilane Lopes do Senar Brasil durante abertura dos trabalhos em São Luís

O Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), concluiu mais uma etapa de Formação de instrutores para atender ao homem do campo no programa Negócio Certo Rural (NCR). O treinamento  ocorreu em São Luís e envolveu vinte (20) profissionais  dos estados do Maranhão, Alagoas e Paraíba e Amapá.

Na programação, foi apresentada e discutida a metodologia  do programa por instrutores do Senar, Espírito Santo (Rodrigo Martins) e Ceará (Edilton Louzada (CE). A abertura contou com a presença da coordenadora do Senar Brasil, Leilane Lopes que apresentou a proposta do programa aos participantes e da necessidade de capacitação dos novos instrutores envolvidos no processo. Do Sebrae/MA, esteve presente a coordenadora estadual do Agronegócio e Desenvolvimento Territorial, Larissa Leite.

A organização do curso foi feita pela coordenadora do NCR do Senar/MA, Agriciomar Veloso e pelo Gerente de Formação Profissional, Carlos Antônio Feitosa, sob a supervisão do superintendente, Luiz Figueiredo.

Rodrigo Martins disse que o NCR está revolucionando o campo, quando ensina o produtor rural a empreender o seu pequeno negócio.

“A gente percebe que muitos estão ávidos por informações, para levar a metodologia da forma mais completa aos produtores rurais de seu estado”, frisou o instrutor.

Fortalecer

Hypoliana de Oliveira,  engenheira agrônoma de Alagoas já atua como instrutora  no Senar do seu estado. Agora, treinada para o NCR espera fazer o melhor para atuar  dentro do plano que é fazer crescer e se fortalecer a propriedade e o produtor rural.

“O Senar e o Sebrae fizeram essa parceria  de maneira assertiva. Nossa meta é disseminar  no estado tudo o que nos foi passado. A fim de que tenhamos   sucesso no atendimento ao produtor rural”, disse ela, feliz com o resultado.

Larissa Leite do Sebrae, classificou como meta, a transformação que o NCR vai proporcionar. “É sempre bom promover atualizações aos nossos instrutores. Uma forma de proporcionar ao produtor maior conhecimento”, falou, apontando para a intensificação do programa desde o ano passado, onde centenas de produtores  foram alcançados em todo o Estado pelo NCR. “A intenção é continuar ampliando o programa por todo o interior do Estado”.

Luiz Figueiredo e Agriciomar Veloso, do Senar, ao lado de Larissa Leite, do Sebrae, durante encerramento do curso

Negócio Certo Rural inicia novas turmas nas regiões do Baixo Parnaíba e Vale do Itapecuru

No último ano, o Programa NCR formou 146 turmas no Maranhão.

Gestora de projetos do Sebrae, Jacirema de Cássia Silva, fala sobre a atuação do Sebrae por meio do NCR, durante palestra de sensibilização em Buriti.

 

O produtor rural, Manoel Evangelista da Luz, é um exemplo de quem foi beneficiado pelo Programa Negócio Certo Rural (NCR), uma capacitação promovida pelo Sebrae, em parceria com o Serviço de Aprendizagem Rural (Senar) e prefeituras municipais, que visa estimular os pequenos empreendedores rurais a verem sua atividade como um negócio, passando a organizá-lo de forma rentável.

Produtor Rural, Manoel Evangelista da Luz, enfatiza a importância do NCR para o seu negócio.

Manoel integrou uma turma do programa em 2010 no município de Nina Rodrigues e conta que a capacitação fez uma grande diferença em sua vida. Atualmente, o que se resumia apenas em produção para sustento da família, hoje é vendido no comércio local.

“Aprendi fazer os orçamentos e coloquei em prática no meu negócio rural, pois ter a teoria e não ter a prática não vale a pena. Se você tem planejamento, tem lucro, e isso aconteceu comigo. O curso foi muito especial para mim e para o meu negócio, eu penso que temos que está perto do Sebrae e do Senar para aprender cada vez mais”, contou Manoel.

O produtor participou como ouvinte da palestra de sensibilização do Negócio Certo Rural em Vargem Grande, uma das oito cidades onde a equipe do Sebrae e Senar estiveram durante a primeira quinzena do mês de junho. Os outros municípios foram Itapecuru Mirim, Buriti, Belágua, Urbano Santos, São Benedito do Rio Preto, Nina Rodrigues e Anapurus.

A palestra de sensibilização é uma das etapas iniciais do Programa, onde é apresentada toda a metodologia do NCR, momento que se define a formação da turma e a data dos encontros do curso, que é gratuito. Ainda para este mês, estão marcadas para o próximo dia 27, a formação de mais duas turmas sendo uma na cidade de Santa Quitéria e outra em Chapadinha, totalizando 10 turmas só na região do Baixo Parnaíba e Vale do Itapecuru.

O gerente da regional do Sebrae em Chapadinha, David Felipe Amorim Pereira, que tem acompanhado as palestras de sensibilização, destaca a importância das capacitações do Negócio Certo Rural para o desenvolvimento do empreendedorismo na região. “Os produtores rurais estarão recebendo uma capacitação que promove a gestão melhorada das propriedades rurais, trazendo maiores resultados para a organização da produção de alimentos e para sua colocação no mercado, contribuindo assim para melhorar a renda das famílias participantes”, destacou David.

Segundo Agriciomar Baldez Veloso, coordenadora do Negócio Certo Rural no Maranhão pelo Senar, em 2016, o Programa formou 146 turmas no Maranhão. Este ano a meta é formar mais 80 turmas no estado. “Trabalhamos no intuito de capacitar o pequeno produtor rural para que ele tenha aproveitamento significativo de todo o conhecimento repassado no curso, que gere a essas comunidades o aumento de produção, planejamento e renda, além da sociabilidade dentro da própria família”, afirmou Agriciomar.

 

Grandes empreendimentos no território prometem dinamizar economia do roteiro integrado, diz Sebrae

Conselheiros e diretores da instituição e da Fiema estiveram em missão técnica aos Complexos Eólicos da Omega Energia em Paulino Neves e Parnaíba e constataram os benefícios dos investimentos ao desenvolvimento do destino turístico.

Com a chegada de grandes empreendimentos na Rota das Emoções e a perspectiva de mudanças dos atuais modelos econômicos, culturais e sociais advindos desses investimentos, o Sebrae no Maranhão adotou o procedimento de realizar estudos de impactos para a formação de uma inteligência competitiva para apoiar, de maneira coerente e adequada, os pequenos negócios do território diante de um novo cenário. A instituição, inclusive, já realizou estudo de impacto socioeconômico da MA-315 – entre Paulino Neves e Barreirinhas, e deverá entregar, em breve, o Inventário Turístico de Paulino Neves encomendado pela Omega Energia – que finaliza no município, em setembro, a fase de instalação do Complexo Eólico Delta 3.

 Para conhecer o empreendimento e tomar decisões ainda mais alinhadas ao estudo de impacto econômico já realizado, os conselheiros e diretores executivos do Sebrae no Maranhão estiveram, nesta semana, em missão técnica ao complexo Eólico Delta 3, que já está com 60% das obras de instalação finalizadas em Paulino Neves e, na oportunidade, visitaram também o Complexo Delta 1, em operação na praia da Pedra do Sal, em Parnaíba (PI). Para acompanhar os conselheiros e dirigentes do Sebrae, foram convidados diretores da Federação das Indústrias do Estado do Maranhão (Fiema).

 Na missão técnica, os executivos das duas instituições foram recebidos pelo staff da Omega Energia, empresa dedicada ao desenvolvimento e implantação de ativos de geração de energia renovável nas fontes eólica e hídrica, responsável pelos Complexos Delta no Piauí e Maranhão.

 “O grupo foi formado por representantes das principais entidades empresariais do Maranhão, que integram tanto o Conselho Deliberativo Estadual do Sebrae quanto a diretoria da Fiema. Cremos ser de suma importância que os empresários maranhenses conheçam in loco os grandes empreendimentos que chegam ao nosso estado e que podem, de maneira direta ou indireta, promover o desenvolvimento econômico, oferecendo mais trabalho e renda às comunidades do seu entorno”, destacou o presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae-MA e presidente da Fiema, Edilson Baldez das Neves.

 Benefícios dos Investimentos

O Complexo Eólico Delta 3, a primeira usina eólica do Maranhão, está orçado em R$ 1,5 bilhão, e parte desse investimento foi destinado a projetos sociais voltados para estimular o desenvolvimento socioeconômico do Maranhão, em especial das cidades e comunidades vizinhas ao empreendimento. Um dos principais projetos é a construção da MA-315, no trecho de 36 quilômetros entre Barreirinhas e Paulino Neves, executado em parceria com o Governo do Estado.

 A abertura da estrada tem como foco o estímulo ao desenvolvimento econômico e social através do turismo, que é uma das principais vocações da região. Para a Omega Energia, a estrada é exemplo de projeto que transcende padrões de contrapartidas sociais e prioriza a contribuição de longo prazo da empresa para o desenvolvimento do Maranhão.

 O trecho da MA-315 entre Barreirinhas e Paulino Neves era utilizado como caminho informal na região e só podia ser acessado com veículos especiais (para percursos de aventura). “Nós identificamos que a estrada era um anseio antigo da população das duas cidades. Mais do que garantir o acesso dos equipamentos para parque, enxergamos que esta seria uma forma de abrir caminho para o desenvolvimento da região”, destaca o presidente da Omega Energia, Antonio Bastos.

 Um dos principais benefícios da MA-315 para a Rota das Emoções é o encurtamento das distâncias no território.  “A estrada é de grande relevância para o turismo do destino, por finalmente interligar os Lençóis aos demais atrativos do roteiro. Ademais, é fator de dinamismo econômico para essa região, quebrando o isolamento territorial, valorizando as cidades, promovendo a circulação de riquezas e a melhoria do fluxo de negócios e facilitando o trânsito de turistas que, vindos de Fortaleza, agora chegam aos Lençóis Maranhenses de maneira mais rápida, gerando mais renda na região”, enumera o diretor técnico do Sebrae no Maranhão, José Morais.

 Mão de obra e pequenos negócios

O Complexo Eólico Delta 3 já viabilizou 1,3 mil empregos diretos e mais de dois mil indiretos, de acordo com informações da Omega Energia. Mais de 50% das vagas abertas durante a fase inicial das obras foram preenchidas por trabalhadores dos municípios da região e esse número é ainda maior se forem considerados empregos gerados com a abertura da estrada entre Barreirinhas e Paulino Neves.

 Para o Sebrae no Maranhão, que realizou o estudo de impacto socioeconômico da MA-315, os resultados estão sendo utilizados para planejar ações de capacitações de potenciais empreendedores do entorno da obra, com objetivo de agregar mais atores à governança territorial.

 “A ideia é promover uma sinergia ideal ao enfrentamento das mudanças que estão por vir no território da Rota das Emoções, com o desenvolvimento de comportamentos associativistas e cooperativistas. A cultura da cooperação está na pauta do Sebrae com vistas a inserir os pequenos negócios na cadeia de valor do turismo, distribuindo de maneira mais justa as riquezas territoriais, garantindo o ecologicamente correto, socialmente justo e economicamente viável”, aponta o diretor superintendente do Sebrae no Maranhão, João Martins.

 Impacto positivos da criação da Rota das Emoções

Nos últimos 12 anos, os Sebrae nos três estados injetaram no destino mais de R$ 10,5 milhões em quatro ciclos de projetos, envolvendo 1.284 empresas do território que tiveram R$ 237,33 milhões de retorno financeiro e já empregam, diretamente, sete mil pessoas.

 Durante esse tempo, já é possível mensurar o impacto da criação da Rota das Emoções para o turismo no estado do Maranhão, tais como: redução da informalidade dos negócios da rota para menos de 20% do total de empreendimentos; o aumento do total de empresas que operam no destino; a elevação da permanência do turista – que passou de dois dias para oito dias; aumento do número de leitos, que hoje contabilizam 3.912; a elevação do faturamento das empresas e, por conseguinte, o aumento da renda no território; aumento de intercâmbio nacional e internacional, das nossas empresas, melhorando a entrega de valor; aumento da geração de emprego trabalho e renda na região; despertar de uma nova cultura empreendedora no estado, através do turismo da rota;  65 agências de viagens parceiras no destino e nos portais de entrada (capitais São Luís, Teresina e Fortaleza), etc. Além disso, a Rota figura na prateleira de 55 operadoras nacionais e seis internacionais, o que eleva o número de turistas nos Lençóis.

 Quanto aos negócios existentes ao longo da Rota e que integram os projetos do Sebrae, 80% deles são formalizados, sendo 56% do segmento das microempresas, 15% de microempreendedores individuais, 3% de empresas de pequeno porte e 4% de cooperativas e associações. Além disso, mais de 70 mil pessoas visitaram o destino nos últimos 4 anos, segundo informações das agências de receptivo parceiras.

 “Ficamos extremamente satisfeito com os resultados da atuação do Sebrae neste destino turístico, principalmente para a economia dos municípios. Acreditamos no roteiro, investimos recursos, realizamos capacitações, rodadas e jornadas de negócios, seminários de vendas, missões técnicas (inclusive com acesso ao mercado internacional), apoiamos a estruturação da governança e tudo o que diz respeito à missão do Sebrae em expandir a cultura empreendedora”, finaliza o presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae no Maranhão, Edilson Baldez.

Mais informações:

 Assessoria de Imprensa do Sebrae no Maranhão

(98) 3216-6233

Central de Relacionamento Sebrae: 0800 570 0800

Facebook.com/sebraema

Youtube/umcsebraema

Twitter: @Sebrae_Ma

Instagram: @SebraeMaranhao

Lançado Catálogo de Artesanato da Grande São Luís

Com 79 peças produzidas nos quatro municípios da Ilha de São Luís e de Alcântara, a publicação servirá de ferramenta de marketing para o artesanato local

Foto 01 / Veruska Oliveira: O diretor superintendente do Sebrae. João Martins, disse que o Catálogo Sebrae de Artesanato da Grande São Luís é, ao mesmo tempo, uma ferramenta de marketing e uma amostra da cultura maranhense

 

Imagem: Veruska Oliveira: O vice-presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae no Maranhão e presidente da Faema, Raimundo Coelho, destacou o catálogo é uma homenagem importante aos empreendedores que ganham a vida com arte e talento.

 

 

Imagem de Veruska Oliveira: A entrega oficial da publicação à sociedade maranhense pelo Sebrae, representantes do poder público estadual e dos municípios da Grande São Luís, assim como representante dos artesãos.

 

 

Como parte das comemorações do Dia do Artesão, o Sebrae no Maranhão lançou o Catálogo Sebrae de Artesanato da Grande São Luís, em uma solenidade na sede da instituição, na capital maranhense, na noite desta segunda-feira (20). Trata-se de uma ferramenta de marketing e divulgação para as peças de artesanato produzidas no Polo Turístico de São Luís – que integra a capital maranhense e os municípios de São José de Ribamar, Paço do Lumiar, Raposa e Alcântara, atendidos pelo Sebrae por meio da regional metropolitana.

“Temos neste catálogo não apenas uma rica ferramenta de marketing, que vai facilitar as vendas dos produtos artesanais maranhenses em outras praças, mas também uma boa mostra do talento do maranhense e da diversidade da nossa cultura”, afirmou o diretor superintendente do Sebrae no Maranhão, João Martins.

Ao todo, o catálogo traz fotos e descrição técnica de 79 peças, produzidas por 27 artesãos individuais, três associações de artesãos e dois grupos de produção. Todas as peças foram expostas na solenidade de lançamento da publicação que teve como convidados prefeitos, secretários de Estado e de Município e demais autoridades, além do staff do Sebrae Maranhão e os donos da festa: os artesãos.

“O Catálogo é mais um meio de fazer o nosso trabalho ganhar o mundo. O nosso artesanato é muito rico e precisa ser conhecido. Acredito que com esta publicação, as diversas forma de fazer artesanato no Maranhão serão divulgadas com maior amplitude”, comentou Lúcia Franco, artesã de biojoias e microempreendedora individual, uma das 27 selecionadas para ter peças incluídas no catálogo.

Apoio ao turismo

A publicação também foi planejada para servir como uma mostra do que poderá encontrar o turista que pretende visitar a capital maranhense ao comprar um pacote turístico para a Ilha. “O material foi editado com muito esmero e qualidade pelos nossos técnicos e consultores, com peças que já possuem produção em escala e estão em um nível de acabamento para um mercado mais amplo”, observou Martins.

O vice-presidente do Conselho Deliberativo Estadual do Sebrae e presidente da Federação da Agricultura do Estado do Maranhão (Faema), Raimundo Coelho, afirmou que o Catálogo Sebrae de Artesanato da Grande São Luís traz uma carga de emoção que pode virar negócios. “O artesanato envolve muito amor para ser produzido e é ao mesmo tempo uma oportunidade de sustento. É uma homenagem importante a esses empreendedores que ganham a vida com arte e talento”, afirmou.

Na programação da solenidade de lançamento do Catálogo Sebrae de Artesanato da Grande São Luís ainda houve a apresentação do tambor de crioula da Liberdade e da cantora Dicy Rocha, com o show “Rosa de Semba”, cujo álbum de mesmo nome foi selecionado no Edital Público de Patrocínio 2015 do Sebrae.

Estiveram presentes ao evento também o diretor técnico do Sebrae estadual, José Morais e a diretora de Administração e Finanças, Rachel Jordão; os conselheiros do Sebrae no Maranhão, Celso Gonçalo de Souza e Carlos Magno; a prefeita de Pastos Bons, Irene Gonçalves; a vice-prefeita de Paço do Lumiar, Paula Azevedo; o presidente do Sindicato Empresarial de Bares e Restaurantes (Sindibares), Francisco Neto, e o presidente do Sindicato de Hotéis, Bares e restaurantes do Maranhão (Sehma), Paulo Coelho.

Peças, matérias-primas e tiragem

O catálogo traz bolsas, acessórios femininos, caminhos de mesa, jogos americanos, cestas, jarros, caixas, bordados, estátuas, confecções, colchas, esculturas, mesas, bandejas, azulejos, pratos, quadros, telhas, instrumentos musicais, brinquedos, mascaras, bijuterias, acessórios de cabelo, talheres e arranjos de mesa.

As peças foram agrupadas de acordo com as matérias-primas com que foram produzidas ou suas referências culturais. Elas estão distribuídas em oito grupos: Fibras Vegetais; Fio e Tecidos; Referências Culturais; Tradicionais; Sementes, Cascas, Raízes, Flores, Folhas Secas; Chifres e Ossos, Dentes e Cascos; Reciclagem e Escamas e Mariscos.

A tiragem da primeira impressão do catálogo é 500 exemplares que serão distribuídos em todo o Brasil. A publicação também está disponível em versão digital no endereço: bit.ly/cataloart-sebrae, que poderá ser usada como ferramenta digital de marketing para os artesãos, associações e grupos de produtores de artesanato negociarem seus produtos em todo país.

Parcerias institucionais

O Catálogo de Artesanato da Grande São Luís foi produzido com a parceria do governo do estado, por meio da Secretaria de Cultura e Turismo e do Programa Mais Artesanato; do Programa Artesanato Brasileiro; do Instituto de Desenvolvimento do Artesanato do Maranhão (Idam) e o apoio do Restaurante Tia Tereza.

“Não podemos pensar em cultura, turismo e economia criativa sem pensar em artesanato e, nesse contexto, o Sebrae tem sido um grande incentivador. A parceria com o governo estadual tem dado resultados e já estamos discutindo novas ações conjuntas”, apontou o secretário estadual de Cultura e Turismo, Diego Galdino.

Já para o prefeito e São José de Ribamar, Luiz Fernando Silva, a publicação lançada pelo Sebrae une arte e economia. “A cultura vai além de uma política pública. É uma forma de preservar a memória, é um instrumento de desenvolvimento econômico e gera renda. Ao unir, cultura e economia, o Sebrae dá um passo importante para termos dias melhores para o artesanato”, afirmou.

Fonte:

Unidade de Comunicação e Marketing
Sebrae Maranhão

Imagem de Veruska Oliveira: Conselheiros e diretores executivos do Sebrae no Maranhão com representantes do poder público – Governo do Estado e municípios da Grande São Luís.

 

Imagem de Veruska Oliveira: Os diretores executivos do Sebrae no Maranhão, José Morais, Rachel Jordão e João Martins, com os conselheiros da instituição, Raimundo Coelho (Faema) e Celso Gonçalo (Senai), o presidente do Sindicato Empresarial de Bares e Restaurantes (Sindibares), Francisco Neto e o secretário de Agricultura e Abastecimento de São Luís, Ivaldo Rodrigues.

Senar e Sebrae discutem programação do NCR para 2017

Produtores rurais são certificados durante Agritec 2016.

O sistema Faema/Senar e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), deram início, às primeiras discussões acerca da nova programação a ser empreendida no exercício de 2017, com relação as turmas do programa Negócio Certo Rural (NCR).

Na pauta de acertos, foi feita uma avaliação das ações realizadas no ano passado e alinhamento de informações para implementar a nova programação deste ano.

O titular da Federação de Agricultura e Pecuária do Estado do Maranhão (Faema), Raimundo Coelho e o superintendente estadual do Senar,  Luiz Figueiredo ao lado do gerente de Formação Profissional do Senar (FPR), Carlos Feitosa conversaram com o  gerente do Agronegócio do Sebrae no Maranhão, Válter Monteiro e a coordenadora da Unidade Estadual Agronegócio do Sebrae, Paula Valdira.

De acordo com Feitosa, para este  primeiro semestre está previsto no convênio entre as duas entidades,  a realização de 80 turmas que serão iniciadas em março, a partir das regionais de  Rosário, Bacabal, Santa Inês, Zé Doca e outras. Feitosa  afirmou que 3. 500 produtores serão certificados até o final deste mês, fruto das 140 turmas realizadas no ano passado.

“O Negócio Certo Rural é um programa de grande alcance no meio rural. Ele permite ao produtor adquirir a  capacidade de gerir tecnicamente sua propriedade dentro de um plano de viabilidade  econômica e com visão voltada para resultados positivos”, salientou Feitosa, chamando a atenção para a necessidade do produtor maranhense adentrar  em mais esse campo do conhecimento, tendo como base a elevação de sua renda e o fortalecimento da sua atividade.

Lucro

Luiz Figueiredo garante que o programa vem tendo grande aceitação no Estado, uma vez que  permite ao produtor encontrar os melhores caminhos para maximizar o lucro na atividade exploratória.

“O parceiro Sebrae, é fundamental nesse processo, uma vez que prepara novos microempreendedores, com boas chances de sucesso”, disse ele.

O superintendente estadual do Sebrae, João Martins diz que todas as 12 unidades regionais no estado estão envolvidas no NCR, que tem como principal objetivo capacitar e qualificar os produtores rurais maranhenses. Ele aponta como um grande fator preponderante no processo investimentos feitos recentemente pelo Sebrae.

“Em  2016, o Sebrae fortaleceu a parceria com o Senar e injetou R$ 1,5 milhão sendo executado com muita competência. O NCR é um exemplo das promissoras parcerias firmadas pelo Sebrae com instituições de fomento e assistência técnica para oportunizar negócios e favorecer a vida no campo para os pequenos produtores, tornando-os empreendedores rurais”, aponta, destacando grandes resultados, com mudanças significativas nas pequenas propriedades e, consequentemente, na economia dos municípios.

O que é o NCR

O programa tem 46 horas, sendo 2 horas de consultoria na sala de aula e 4 horas de consultoria na propriedade (de forma individual). É, também, oferecido na modalidade à distância, no portal EaD-Senar e possui diversas etapas que permitem aos beneficiários conhecimentos desde o diagnosticar do ambiente propício à implantação do negócio rural, até o preparo de um Plano de Negócios, priorizando, logicamente, o ramo de negócio mais lucrativo.

Dos acertos mantidos entre os parceiros SENAR/SEBRAE, ficou pactuado o início de novas 80 turmas, beneficiando um público-meta de aproximados 2.400 pequenos produtores rurais.

A capacitação técnica envolve ações que se estendem desde a realização do diagnóstico da atual situação da propriedade, até a viabilidade para melhor administrar esse empreendimento, criando dinâmica e valorização nas cadeias produtivas mais adequadas e exploradas na região.

Feitosa, do Senar durante certificação de produtores rurais.

 

Equipe do sistema Faema/Senar e Sebrae em reunião sobre o NCR

Scroll To Top